Preços de importados na Alemanha tem baixa em fevereiro

O índice de preços das importações na Alemanha recuou 2,7% em fevereiro em relação ao mesmo mês em 2013. No comparativo mensal, o índice recuou -0,1%, relatou nesta manhã (28) o Escritório Federal de Estatísticas, Destatis.

Na base mensal, o dado veio abaixo do esperado pelo mercado, que aguardava alta de 0,3% (previsão Forex Factory).

Sem petróleo bruto e produtos e óleo mineral, o índice de preços de importação caiu 1,8%.

O índice de preços de exportação teve baixa de 0,7% em fevereiro em relação ao mês homólogo do ano anterior. De janeiro fevereiro de 2014, o índice não mudou. (Fonte)

Postado por: NewsComex – Comércio Exterior e Logística

Oceânica inaugura nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica

A brasileira Oceânica, especializada em projetos de engenharia naval e oceânica, e o Maritime Research Institute Netherlands (Marin) vão inaugurar na próxima segunda-feira (3/4), em São Paulo, a nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica (Nautilus). A estrutura contará com o simulador manobras Full Mission, com o simulador de VTMS (Vessel Traffic Management System) e com o CCO (Centro de Controle Operacional).

O simulador VTMS é um sistema de inteligência de negócio para controle de trafego de embarcações. O sistema oferece opções de otimização de agendas, para evitar tanto a formação de filas para navios, como para o caminhões. O CCO consiste em uma sala de controle operacional utilizada para fazer o acompanhamento de operações, em tempo real.

Segundo a Oceânica, a nova versão do simulador de manobras passou por um upgrade com a ampliação dos canais de visualização, controles e a construção de um console de ré. “Com a nova sede do Nautilus, também poderão ser realizadas simulações com mais de um navio, ao mesmo tempo, e de operações offshore”, explica a companhia.

Fonte: Redação TN/ Ascom Oceânica

A brasileira Oceânica, especializada em projetos de engenharia naval e oceânica, e o Maritime Research Institute Netherlands (Marin) vão inaugurar na próxima segunda-feira (3/4), em São Paulo, a nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica (Nautilus). A estrutura contará com o simulador manobras Full Mission, com o simulador de VTMS (Vessel Traffic Management System) e com o CCO (Centro de Controle Operacional).

O simulador VTMS é um sistema de inteligência de negócio para controle de trafego de embarcações. O sistema oferece opções de otimização de agendas, para evitar tanto a formação de filas para navios, como para o caminhões. O CCO consiste em uma sala de controle operacional utilizada para fazer o acompanhamento de operações, em tempo real.

Segundo a Oceânica, a nova versão do simulador de manobras passou por um upgrade com a ampliação dos canais de visualização, controles e a construção de um console de ré. “Com a nova sede do Nautilus, também poderão ser realizadas simulações com mais de um navio, ao mesmo tempo, e de operações offshore”, explica a companhia.

Fonte: Redação TN/ Ascom Oceânica

A brasileira Oceânica, especializada em projetos de engenharia naval e oceânica, e o Maritime Research Institute Netherlands (Marin) vão inaugurar na próxima segunda-feira (3/4), em São Paulo, a nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica (Nautilus). A estrutura contará com o simulador manobras Full Mission, com o simulador de VTMS (Vessel Traffic Management System) e com o CCO (Centro de Controle Operacional).

O simulador VTMS é um sistema de inteligência de negócio para controle de trafego de embarcações. O sistema oferece opções de otimização de agendas, para evitar tanto a formação de filas para navios, como para o caminhões. O CCO consiste em uma sala de controle operacional utilizada para fazer o acompanhamento de operações, em tempo real.

Segundo a Oceânica, a nova versão do simulador de manobras passou por um upgrade com a ampliação dos canais de visualização, controles e a construção de um console de ré. “Com a nova sede do Nautilus, também poderão ser realizadas simulações com mais de um navio, ao mesmo tempo, e de operações offshore”, explica a companhia.

Fonte: Redação TN/ Ascom Oceânica

A brasileira Oceânica, especializada em projetos de engenharia naval e oceânica, e o Maritime Research Institute Netherlands (Marin) vão inaugurar na próxima segunda-feira (3/4), em São Paulo, a nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica (Nautilus). A estrutura contará com o simulador manobras Full Mission, com o simulador de VTMS (Vessel Traffic Management System) e com o CCO (Centro de Controle Operacional).

O simulador VTMS é um sistema de inteligência de negócio para controle de trafego de embarcações. O sistema oferece opções de otimização de agendas, para evitar tanto a formação de filas para navios, como para o caminhões. O CCO consiste em uma sala de controle operacional utilizada para fazer o acompanhamento de operações, em tempo real.

Segundo a Oceânica, a nova versão do simulador de manobras passou por um upgrade com a ampliação dos canais de visualização, controles e a construção de um console de ré. “Com a nova sede do Nautilus, também poderão ser realizadas simulações com mais de um navio, ao mesmo tempo, e de operações offshore”, explica a companhia.

Fonte: Redação TN/ Ascom Oceânica

A brasileira Oceânica, especializada em projetos de engenharia naval e oceânica, e o Maritime Research Institute Netherlands (Marin) vão inaugurar na próxima segunda-feira (3/4), em São Paulo, a nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica (Nautilus). A estrutura contará com o simulador manobras Full Mission, com o simulador de VTMS (Vessel Traffic Management System) e com o CCO (Centro de Controle Operacional).

O simulador VTMS é um sistema de inteligência de negócio para controle de trafego de embarcações. O sistema oferece opções de otimização de agendas, para evitar tanto a formação de filas para navios, como para o caminhões. O CCO consiste em uma sala de controle operacional utilizada para fazer o acompanhamento de operações, em tempo real.

Segundo a Oceânica, a nova versão do simulador de manobras passou por um upgrade com a ampliação dos canais de visualização, controles e a construção de um console de ré. “Com a nova sede do Nautilus, também poderão ser realizadas simulações com mais de um navio, ao mesmo tempo, e de operações offshore”, explica a companhia.

Fonte: Redação TN/ Ascom Oceânica

A brasileira Oceânica, especializada em projetos de engenharia naval e oceânica, e o Maritime Research Institute Netherlands (Marin) vão inaugurar na próxima segunda-feira (3/4), em São Paulo, a nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica (Nautilus). A estrutura contará com o simulador manobras Full Mission, com o simulador de VTMS (Vessel Traffic Management System) e com o CCO (Centro de Controle Operacional).

O simulador VTMS é um sistema de inteligência de negócio para controle de trafego de embarcações. O sistema oferece opções de otimização de agendas, para evitar tanto a formação de filas para navios, como para o caminhões. O CCO consiste em uma sala de controle operacional utilizada para fazer o acompanhamento de operações, em tempo real.

Segundo a Oceânica, a nova versão do simulador de manobras passou por um upgrade com a ampliação dos canais de visualização, controles e a construção de um console de ré. “Com a nova sede do Nautilus, também poderão ser realizadas simulações com mais de um navio, ao mesmo tempo, e de operações offshore”, explica a companhia.

Fonte: Redação TN/ Ascom Oceânica

A brasileira Oceânica, especializada em projetos de engenharia naval e oceânica, e o Maritime Research Institute Netherlands (Marin) vão inaugurar na próxima segunda-feira (3/4), em São Paulo, a nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica (Nautilus). A estrutura contará com o simulador manobras Full Mission, com o simulador de VTMS (Vessel Traffic Management System) e com o CCO (Centro de Controle Operacional).

O simulador VTMS é um sistema de inteligência de negócio para controle de trafego de embarcações. O sistema oferece opções de otimização de agendas, para evitar tanto a formação de filas para navios, como para o caminhões. O CCO consiste em uma sala de controle operacional utilizada para fazer o acompanhamento de operações, em tempo real.

Segundo a Oceânica, a nova versão do simulador de manobras passou por um upgrade com a ampliação dos canais de visualização, controles e a construção de um console de ré. “Com a nova sede do Nautilus, também poderão ser realizadas simulações com mais de um navio, ao mesmo tempo, e de operações offshore”, explica a companhia.

Fonte: Redação TN/ Ascom Oceânica

A brasileira Oceânica, especializada em projetos de engenharia naval e oceânica, e o Maritime Research Institute Netherlands (Marin) vão inaugurar na próxima segunda-feira (3/4), em São Paulo, a nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica (Nautilus). A estrutura contará com o simulador manobras Full Mission, com o simulador de VTMS (Vessel Traffic Management System) e com o CCO (Centro de Controle Operacional).

O simulador VTMS é um sistema de inteligência de negócio para controle de trafego de embarcações. O sistema oferece opções de otimização de agendas, para evitar tanto a formação de filas para navios, como para o caminhões. O CCO consiste em uma sala de controle operacional utilizada para fazer o acompanhamento de operações, em tempo real.

Segundo a Oceânica, a nova versão do simulador de manobras passou por um upgrade com a ampliação dos canais de visualização, controles e a construção de um console de ré. “Com a nova sede do Nautilus, também poderão ser realizadas simulações com mais de um navio, ao mesmo tempo, e de operações offshore”, explica a companhia.

Fonte: Redação TN/ Ascom Oceânica

A brasileira Oceânica, especializada em projetos de engenharia naval e oceânica, e o Maritime Research Institute Netherlands (Marin) vão inaugurar na próxima segunda-feira (3/4), em São Paulo, a nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica (Nautilus). A estrutura contará com o simulador manobras Full Mission, com o simulador de VTMS (Vessel Traffic Management System) e com o CCO (Centro de Controle Operacional).

O simulador VTMS é um sistema de inteligência de negócio para controle de trafego de embarcações. O sistema oferece opções de otimização de agendas, para evitar tanto a formação de filas para navios, como para o caminhões. O CCO consiste em uma sala de controle operacional utilizada para fazer o acompanhamento de operações, em tempo real.

Segundo a Oceânica, a nova versão do simulador de manobras passou por um upgrade com a ampliação dos canais de visualização, controles e a construção de um console de ré. “Com a nova sede do Nautilus, também poderão ser realizadas simulações com mais de um navio, ao mesmo tempo, e de operações offshore”, explica a companhia.

Fonte: Redação TN/ Ascom Oceânica

A brasileira Oceânica, especializada em projetos de engenharia naval e oceânica, e o Maritime Research Institute Netherlands (Marin) vão inaugurar na próxima segunda-feira (3/4), em São Paulo, a nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica (Nautilus). A estrutura contará com o simulador manobras Full Mission, com o simulador de VTMS (Vessel Traffic Management System) e com o CCO (Centro de Controle Operacional).

O simulador VTMS é um sistema de inteligência de negócio para controle de trafego de embarcações. O sistema oferece opções de otimização de agendas, para evitar tanto a formação de filas para navios, como para o caminhões. O CCO consiste em uma sala de controle operacional utilizada para fazer o acompanhamento de operações, em tempo real.

Segundo a Oceânica, a nova versão do simulador de manobras passou por um upgrade com a ampliação dos canais de visualização, controles e a construção de um console de ré. “Com a nova sede do Nautilus, também poderão ser realizadas simulações com mais de um navio, ao mesmo tempo, e de operações offshore”, explica a companhia.

Fonte: Redação TN/ Ascom Oceânica

A brasileira Oceânica, especializada em projetos de engenharia naval e oceânica, e o Maritime Research Institute Netherlands (Marin) vão inaugurar na próxima segunda-feira (3/4), em São Paulo, a nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica (Nautilus). A estrutura contará com o simulador manobras Full Mission, com o simulador de VTMS (Vessel Traffic Management System) e com o CCO (Centro de Controle Operacional).

O simulador VTMS é um sistema de inteligência de negócio para controle de trafego de embarcações. O sistema oferece opções de otimização de agendas, para evitar tanto a formação de filas para navios, como para o caminhões. O CCO consiste em uma sala de controle operacional utilizada para fazer o acompanhamento de operações, em tempo real.

Segundo a Oceânica, a nova versão do simulador de manobras passou por um upgrade com a ampliação dos canais de visualização, controles e a construção de um console de ré. “Com a nova sede do Nautilus, também poderão ser realizadas simulações com mais de um navio, ao mesmo tempo, e de operações offshore”, explica a companhia.

Fonte: Redação TN/ Ascom Oceânica

A brasileira Oceânica, especializada em projetos de engenharia naval e oceânica, e o Maritime Research Institute Netherlands (Marin) vão inaugurar na próxima segunda-feira (3/4), em São Paulo, a nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica (Nautilus). A estrutura contará com o simulador manobras Full Mission, com o simulador de VTMS (Vessel Traffic Management System) e com o CCO (Centro de Controle Operacional).

O simulador VTMS é um sistema de inteligência de negócio para controle de trafego de embarcações. O sistema oferece opções de otimização de agendas, para evitar tanto a formação de filas para navios, como para o caminhões. O CCO consiste em uma sala de controle operacional utilizada para fazer o acompanhamento de operações, em tempo real.

Segundo a Oceânica, a nova versão do simulador de manobras passou por um upgrade com a ampliação dos canais de visualização, controles e a construção de um console de ré. “Com a nova sede do Nautilus, também poderão ser realizadas simulações com mais de um navio, ao mesmo tempo, e de operações offshore”, explica a companhia.

Fonte: Redação TN/ Ascom Oceânica

A brasileira Oceânica, especializada em projetos de engenharia naval e oceânica, e o Maritime Research Institute Netherlands (Marin) vão inaugurar na próxima segunda-feira (3/4), em São Paulo, a nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica (Nautilus). A estrutura contará com o simulador manobras Full Mission, com o simulador de VTMS (Vessel Traffic Management System) e com o CCO (Centro de Controle Operacional).

O simulador VTMS é um sistema de inteligência de negócio para controle de trafego de embarcações. O sistema oferece opções de otimização de agendas, para evitar tanto a formação de filas para navios, como para o caminhões. O CCO consiste em uma sala de controle operacional utilizada para fazer o acompanhamento de operações, em tempo real.

Segundo a Oceânica, a nova versão do simulador de manobras passou por um upgrade com a ampliação dos canais de visualização, controles e a construção de um console de ré. “Com a nova sede do Nautilus, também poderão ser realizadas simulações com mais de um navio, ao mesmo tempo, e de operações offshore”, explica a companhia.

Fonte: Redação TN/ Ascom Oceânica

A brasileira Oceânica, especializada em projetos de engenharia naval e oceânica, e o Maritime Research Institute Netherlands (Marin) vão inaugurar na próxima segunda-feira (3/4), em São Paulo, a nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica (Nautilus). A estrutura contará com o simulador manobras Full Mission, com o simulador de VTMS (Vessel Traffic Management System) e com o CCO (Centro de Controle Operacional).

O simulador VTMS é um sistema de inteligência de negócio para controle de trafego de embarcações. O sistema oferece opções de otimização de agendas, para evitar tanto a formação de filas para navios, como para o caminhões. O CCO consiste em uma sala de controle operacional utilizada para fazer o acompanhamento de operações, em tempo real.

Segundo a Oceânica, a nova versão do simulador de manobras passou por um upgrade com a ampliação dos canais de visualização, controles e a construção de um console de ré. “Com a nova sede do Nautilus, também poderão ser realizadas simulações com mais de um navio, ao mesmo tempo, e de operações offshore”, explica a companhia.

Fonte: Redação TN/ Ascom Oceânica

A brasileira Oceânica, especializada em projetos de engenharia naval e oceânica, e o Maritime Research Institute Netherlands (Marin) vão inaugurar na próxima segunda-feira (3/4), em São Paulo, a nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica (Nautilus). A estrutura contará com o simulador manobras Full Mission, com o simulador de VTMS (Vessel Traffic Management System) e com o CCO (Centro de Controle Operacional).

O simulador VTMS é um sistema de inteligência de negócio para controle de trafego de embarcações. O sistema oferece opções de otimização de agendas, para evitar tanto a formação de filas para navios, como para o caminhões. O CCO consiste em uma sala de controle operacional utilizada para fazer o acompanhamento de operações, em tempo real.

Segundo a Oceânica, a nova versão do simulador de manobras passou por um upgrade com a ampliação dos canais de visualização, controles e a construção de um console de ré. “Com a nova sede do Nautilus, também poderão ser realizadas simulações com mais de um navio, ao mesmo tempo, e de operações offshore”, explica a companhia.

Fonte: Redação TN/ Ascom Oceânica

A brasileira Oceânica, especializada em projetos de engenharia naval e oceânica, e o Maritime Research Institute Netherlands (Marin) vão inaugurar na próxima segunda-feira (3/4), em São Paulo, a nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica (Nautilus). A estrutura contará com o simulador manobras Full Mission, com o simulador de VTMS (Vessel Traffic Management System) e com o CCO (Centro de Controle Operacional).

O simulador VTMS é um sistema de inteligência de negócio para controle de trafego de embarcações. O sistema oferece opções de otimização de agendas, para evitar tanto a formação de filas para navios, como para o caminhões. O CCO consiste em uma sala de controle operacional utilizada para fazer o acompanhamento de operações, em tempo real.

Segundo a Oceânica, a nova versão do simulador de manobras passou por um upgrade com a ampliação dos canais de visualização, controles e a construção de um console de ré. “Com a nova sede do Nautilus, também poderão ser realizadas simulações com mais de um navio, ao mesmo tempo, e de operações offshore”, explica a companhia.

Fonte: Redação TN/ Ascom Oceânica

A brasileira Oceânica, especializada em projetos de engenharia naval e oceânica, e o Maritime Research Institute Netherlands (Marin) vão inaugurar na próxima segunda-feira (3/4), em São Paulo, a nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica (Nautilus). A estrutura contará com o simulador manobras Full Mission, com o simulador de VTMS (Vessel Traffic Management System) e com o CCO (Centro de Controle Operacional).

O simulador VTMS é um sistema de inteligência de negócio para controle de trafego de embarcações. O sistema oferece opções de otimização de agendas, para evitar tanto a formação de filas para navios, como para o caminhões. O CCO consiste em uma sala de controle operacional utilizada para fazer o acompanhamento de operações, em tempo real.

Segundo a Oceânica, a nova versão do simulador de manobras passou por um upgrade com a ampliação dos canais de visualização, controles e a construção de um console de ré. “Com a nova sede do Nautilus, também poderão ser realizadas simulações com mais de um navio, ao mesmo tempo, e de operações offshore”, explica a companhia.

Fonte: Redação TN/ Ascom Oceânica

A brasileira Oceânica, especializada em projetos de engenharia naval e oceânica, e o Maritime Research Institute Netherlands (Marin) vão inaugurar na próxima segunda-feira (3/4), em São Paulo, a nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica (Nautilus). A estrutura contará com o simulador manobras Full Mission, com o simulador de VTMS (Vessel Traffic Management System) e com o CCO (Centro de Controle Operacional).

O simulador VTMS é um sistema de inteligência de negócio para controle de trafego de embarcações. O sistema oferece opções de otimização de agendas, para evitar tanto a formação de filas para navios, como para o caminhões. O CCO consiste em uma sala de controle operacional utilizada para fazer o acompanhamento de operações, em tempo real.

Segundo a Oceânica, a nova versão do simulador de manobras passou por um upgrade com a ampliação dos canais de visualização, controles e a construção de um console de ré. “Com a nova sede do Nautilus, também poderão ser realizadas simulações com mais de um navio, ao mesmo tempo, e de operações offshore”, explica a companhia.

Fonte: Redação TN/ Ascom Oceânica

A brasileira Oceânica, especializada em projetos de engenharia naval e oceânica, e o Maritime Research Institute Netherlands (Marin) vão inaugurar na próxima segunda-feira (3/4), em São Paulo, a nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica (Nautilus). A estrutura contará com o simulador manobras Full Mission, com o simulador de VTMS (Vessel Traffic Management System) e com o CCO (Centro de Controle Operacional).

O simulador VTMS é um sistema de inteligência de negócio para controle de trafego de embarcações. O sistema oferece opções de otimização de agendas, para evitar tanto a formação de filas para navios, como para o caminhões. O CCO consiste em uma sala de controle operacional utilizada para fazer o acompanhamento de operações, em tempo real.

Segundo a Oceânica, a nova versão do simulador de manobras passou por um upgrade com a ampliação dos canais de visualização, controles e a construção de um console de ré. “Com a nova sede do Nautilus, também poderão ser realizadas simulações com mais de um navio, ao mesmo tempo, e de operações offshore”, explica a companhia.

Fonte: Redação TN/ Ascom Oceânica

A brasileira Oceânica, especializada em projetos de engenharia naval e oceânica, e o Maritime Research Institute Netherlands (Marin) vão inaugurar na próxima segunda-feira (3/4), em São Paulo, a nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica (Nautilus). A estrutura contará com o simulador manobras Full Mission, com o simulador de VTMS (Vessel Traffic Management System) e com o CCO (Centro de Controle Operacional).

O simulador VTMS é um sistema de inteligência de negócio para controle de trafego de embarcações. O sistema oferece opções de otimização de agendas, para evitar tanto a formação de filas para navios, como para o caminhões. O CCO consiste em uma sala de controle operacional utilizada para fazer o acompanhamento de operações, em tempo real.

Segundo a Oceânica, a nova versão do simulador de manobras passou por um upgrade com a ampliação dos canais de visualização, controles e a construção de um console de ré. “Com a nova sede do Nautilus, também poderão ser realizadas simulações com mais de um navio, ao mesmo tempo, e de operações offshore”, explica a companhia.

Fonte: Redação TN/ Ascom Oceânica

A brasileira Oceânica, especializada em projetos de engenharia naval e oceânica, e o Maritime Research Institute Netherlands (Marin) vão inaugurar na próxima segunda-feira (3/4), em São Paulo, a nova sede do Núcleo de Simulação Portuária e Oceânica (Nautilus). A estrutura contará com o simulador manobras Full Mission, com o simulador de VTMS (Vessel Traffic Management System) e com o CCO (Centro de Controle Operacional).

O simulador VTMS é um sistema de inteligência de negócio para controle de trafego de embarcações. O sistema oferece opções de otimização de agendas, para evitar tanto a formação de filas para navios, como para o caminhões. O CCO consiste em uma sala de controle operacional utilizada para fazer o acompanhamento de operações, em tempo real.

Segundo a Oceânica, a nova versão do simulador de manobras passou por um upgrade com a ampliação dos canais de visualização, controles e a construção de um console de ré. “Com a nova sede do Nautilus, também poderão ser realizadas simulações com mais de um navio, ao mesmo tempo, e de operações offshore”, explica a companhia.

Fonte: Redação TN/ Ascom Oceânica

Movimento do Porto de Santos é recorde em fevereiro

Após iniciar 2014 com queda, a movimentação do Porto de Santos voltou a crescer em fevereiro, alcançando o recorde de 7,8 milhões toneladas, volume 4% maior que o registrado em igual período do ano passado, informou nesta sexta-feira, 28, a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp). Ainda assim, o acumulado do ano, de 14,69 milhões de toneladas, é 5% menor que o reportado nos dois primeiros meses de 2013.

As exportações cresceram 5% em fevereiro e somaram 5,5 milhões toneladas, com destaque para os embarques do complexo soja (que aumentaram 58,4%) e celulose (+2.417,5%). Já as importações registraram crescimento de 1,6% na mesma comparação, totalizando 2,2 milhões de toneladas. Os destaques foram para o gás liquefeito de petróleo (178,5%) e nafta (96,1%).

No bimestre, as exportações recuaram 7,1% frente os mesmos meses de 2013, para 9,8 milhões de toneladas. Destacaram-se positivamente o complexo soja, com um crescimento de 46,1%, de 68,6% da celulose e do café em grãos (de 17,6%). Já o açúcar, que respondeu no ano passado pela maior parcela dos embarques, mais de 20%, teve redução de 8% no acumulado do ano. Álcool e milho também tiveram as exportações reduzidas em mais de 51%.

N/A

As exportações cresceram 5% em fevereiro e somaram 5,5 milhões toneladas, com destaque para a soja

As importações em janeiro e fevereiro chegaram a 4,8 milhões de toneladas, 0,6% abaixo do primeiro bimestre de 2013. Sobressaíram-se, mais uma vez, as descargas de gás liquefeito de petróleo (153,2%) e nafta (139,9%), enquanto os desembarques de minério de ferro, enxofre e carvão recuaram.

A carga geral movimentada em contêiner apresentou um aumento de 16,9% em fevereiro na medição por TEU – unidade equivalente a um contêiner de 20 pés, totalizando 259.643 TEUs. Em dois meses, o crescimento acumulado é de 9,3%, para 535.838 teus.

Conforme a Codesp, os dados apurados da balança comercial apontam o valor total de US$ 17,7 bilhões das cargas operadas em Santos até fevereiro, representando 25,3% da corrente de comércio (US$ 70,1 bilhões). O valor comercial das importações no período chegou a US$ 9,8 bilhões, 25,6% do totalizado pelo Brasil (US$ 38,1 bilhões). Já as exportações atingiram US$ 7,9 bilhões, 24,8% das remessas ao exterior (US$ 32 bilhões).

Ainda de acordo com a companhia Docas, o número de navios passou de 407 em fevereiro do ano passado, para 413 neste ano, mas no bimestre somou 807, o que corresponde a 45 a menos que no mesmo período de 2013. Para a Codesp, essa redução de 5,3%, mesmo com o crescimento da movimentação física, sinaliza a tendência de, na média, operar mais carga por embarcação atracada.

Mais informações no caderno Porto&Mar deste sábado, em A Tribuna.

Intermodal começa na próxima semana e quer receber 50 mil pessoas

Considerada estratégica para empresas de logística, transporte e comércio exterior, a 20ª edição da Intermodal South America já tem data para ocorrer. Ela acontecerá entre terça e quinta-feira da próxima semana (1 a 3 de abril), na capital paulista. Ao celebrar a segunda década de existência, o evento deste ano quer ser, justamente, histórico, superando patamares de negócios e visitação, além de promover debates e discussões inéditas.

Nos três dias, mais de 20 países estarão representados na feira, que acontecerá no Transamérica Expor Center, com mais de 600 marcas – o mesmo número do que no ano passado. A expectativa, porém, é de que os visitantes ultrapassem as 50 mil pessoas – provenientes, por sua vez, de mais de 30 nacionalidades. Em 2013, o balanço de público foi de aproximadamente 48.500 visitantes únicos.

“A feira tornou-se referência e deixou de ser apenas expositiva. É um ambiente propício para negócios”, garante o gerente do evento, Ricardo Barbosa. Segundo ele, na última edição da Intermodal, mais de 65% dos expositores conseguiram fechar acordos comerciais – índice avaliado por ele como satisfatório, uma vez que outros contratos podem ter sido feitos no momento pós-feira.

Barbosa conta que uma das novidades para esta segunda década é a aposta na interatividade. “Chegamos a expor as máquinas em alguns anos. Mas, dessa vez, teremos uma área ampla para o público experimentá-las”, adianta. No entanto, o que continua sendo um ponto forte da Intermodal são os seminários e debates que têm a presença de autoridades e especialistas no setor.

CONFERÊNCIA

O diretor-geral substituto da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), Mário Povia, e o presidente da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), Renato Barco, serão os destaques do primeiro painel do seminário Intermodal Ports & Maritime Summit, que terá o tema Infraestrutura – Avanços e Perspectivas e será realizado na manhã de terça-feira. “Eles vão falar sobre a questão dos acessos aos portos e o que tá sendo feito para melhorá-los”, explica Ricardo Barbosa.

Nesse painel, também estarão presentes os prefeitos Paulo Alexandre Barbosa (Santos), Maria Antonieta de Brito (Guarujá) e Márcia Rosa (Cubatão), além do diretor-presidente da Dersa, Laurence Casagrande Lourenço e representantes dos portos de São Sebastião (SP) e do Rio de Janeiro. No segundo painel, que terá o tema Desafios Estruturais dos Portos Brasileiros e será feito na tarde de terça-feira, um dos participantes será o secretário de Desenvolvimento do Governo do Espírito Santo, Nery de Rossi.

Nos demais dias, haverá ainda um debate sobre o novo código comercial marítimo e o tradicional encontro sobre Supply Chain. “Estamos apostando ainda na questão da integração de modais, que passou a ser destaque recentemente por causa dos investimentos que deverão receber do Governo”, diz o diretor da feira.

As conferências acontecem sempre de manhã e à tarde. Será cobrado um valor – a partir de R$ 500,00 – para participar de cada uma delas. As inscrições para assistir aos encontros e visitar a Intermodal são feitas pelo site do evento (www.intermodal.com.br) ou na própria feira.

Fonte: http://www.atribuna.com.br/porto-mar/intermodal-come%C3%A7a-na-pr%C3%B3xima-semana-e-quer-receber-50-mil-pessoas-1.372752

 

Porto de Suape registra crescimento de 42%

Movimentação de cargas em janeiro chegou a 1,3 milhão de toneladas

O Porto de Suape iniciou 2014 comemorando, o complexo registrou crescimento de 42% na movimentação de cargas no mês de janeiro, na comparação com igual período do ano passado. A movimentação chegou a  1,3 milhão de toneladas. Além disso, também ultrapassou em 2,3% o último recorde de movimentação mensal, que havia sido de 1,28 milhão de toneladas em setembro de 2013.
A alta foi motivada principalmente pela movimentação de combustíveis que chegou a 763 mil toneladas, correspondendo a 58% da carga total de janeiro. Do volume da carga de combustíveis, 369 mil toneladas foram de óleo diesel, já que, recentemente, a Petrobras optou por fazer de Suape a distribuição de combustível por via marítima para outros portos do Nordeste.
O aumento na movimentação de contêineres também contribuiu para o desempenho de Suape neste início de ano. Em janeiro, mais de 38,7 mil Teus foram movimentados no porto, 12% mais em relação ao mesmo mês de 2013. Em relação a dezembro passado, a alta foi de 13%.
A evolução na movimentação portuária acontece em paralelo à realização de obras de infraestrutura, iniciadas em janeiro, que devem melhorar a capacidade de recepção de navios do porto.

Fonte: Guia Marítimo

Navio perde mais de 500 contêineres em mar agitado

Perda de contêineres foi a maior registrada no mar em um único incidente

O navio de bandeira dinamarquesa estava na Baía de Biscaia e enfrentou ventos com força de um furacão na costa atlântica da Europa. Em meio a ondas de 30 pés e ventos de 60 nós, o Svendborg perdeu os contêineres ao norte da França. Ao chegar no porto espanhol de Málaga a Maersk descobriu que cerca de 520 contêineres estavam desaparecidos. Foi a maior perda de contêineres registrada no mar em um único incidente.

Os reparos do Svendborg foram feitos no porto espanhol. Segundo Palle Laursen, vice-presidente de operações da Maersk, a empresa está examinando seus procedimentos “para evitar incidentes semelhantes no futuro”.  Segundo Lauresen, 85% dos contêineres perdidos estavam vazios e outros tinham produtos como carne congelada. Nenhum continha mercadorias perigosas.

 

Agora o trabalho da Maersk é em entrar em contato com os clientes para lhes avisar que seus embarques estão no fundo do oceano. O Svendborg, que estava a caminho de Roterdã, na Holanda para Colombo, no Sri Lanka, através do Canal de Suez, e alertou as autoridades marítimas francesas que os navios deveriam olhar para fora onde estavam os recipientes flutuantes, mas a maioria afundou rapidamente no mar.

De acordo com as autoridades francesas, treze contêineres já foram recuperados.

O grupo ambientalista francês Robin des Bois, disse na sexta-feira (21) que iria processar a Maersk por não divulgar toda a extensão da perda quando o acidente ocorreu, colocando a vida de outros em perigo, além de causar poluição e abandonar resíduos no mar. O grupo afirmou que os recipientes eram um perigo duradouro aos navios de pesca e ao meio ambiente.

A maioria dos recipientes não flutuam por muito tempo, especialmente em mares agitados. Porém, um que é refrigerado pode ser impulsionado por seu isolamento, e a utilização de polietileno como embalagem para produtos também ajuda na flutuação. A New Zealand Marine, seguradora diz que um contêiner de 20 pés pode flutuar por até dois meses, e um contêiner de 40 pés pode flutuar por três vezes mais tempo.

Fonte:  Guia Marítimo

Tecon Imbituba recebe mais um serviço da Hamburg Sud

Novo serviço deverá impulsionar a economia regional no mercado interno facilitando o escoamento de cargas às regiões Norte e Nordeste

O Tecon Imbituba passou a receber mais um serviço oferecido pela Hamburg Sud/ Aliança. O navio Aliança San Martin atracou no terminal e começou a fazer o transporte de contêineres via cabotagem. O navio terá escalas semanais em Imbituba, aportando todo sábado pela madrugada com previsão de partida no mesmo dia.

O novo serviço deverá impulsionar a economia regional no mercado interno, já que facilitará o escoamento de cargas às regiões Norte e Nordeste, especialmente para os portos de São Luís, Manaus, Pecém, Suape e Salvador. Isso porque os contêineres embarcados em Imbituba devem ser descarregados em Santos e de lá seguir nos navios da Aliança para os destinos finais, beneficiando diretamente produtores do agrobusiness e diversas empresas do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

Outro serviço da Hamburg Sud, o UCLA, que já atende a rota Golfo do México e Caribe com escala semanal em Imbituba vai sofrer mudança e concentrará todo o transbordo destas áreas e River Plate (Argentina e Uruguai) no porto catarinense.

Fonte: Guia Marítimo